quinta-feira, janeiro 19, 2006

Ricardo Reis

O mais taciturno dos heterónimos de Pessoa.

Segue o teu destino

Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nós queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós-próprios.

Suave é viver só.
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.








Vê de longe a vida.

Nunca a interrogues.
Ela nada pode
Dizer-te. A resposta
Está além dos deuses.



Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses

Porque não se pensam.

Ricardo Reis

5 comentários:

m a r c disse...

se a ca estivesse a ler isto ja te estava a mandar a um sítio
talvez não pq ela é demasiado púdica

mas francamente rapariga começa a ler ou caeiro ou campos, reis e pessoa nunca too taciturno para vivermos a vida felizes.

caeiro demasiado pacóvio mas sincero
campo muito bom, demasiado louco e opiado mas consegue se divertir
o melhor é msm a mistura
um "campeiro".
aproveita para ir passear até ao chiado
anda no 28
bebe chá casa de chá do carmo
e uma laranjada no miradouro do adamastor enquanto lês um livro espetacular sobre sistemas de gestão qualidade e ambiente
dps digo.t o autor

acredita q dps n vais ter tempo nem pra te coçares

m a r c disse...

e pa por musica no blog
tens
fragmagens.blog.simplesnet.pt/archive/001667.html

e

blog.com.pt/forum_thread.php?id_thread=18

Tigger disse...

Antecipaste-te meu caro amigo!
Estava mesmo a pensar escrever um post só sobre as minhas considerações sobre Fernando Pessoa e respectivos heterónimos.
Mas deixo-te já um cheirinho, o meu preferido é mesmo o louco do Álvaro de Campos.
Mas aguarda o meu post que já estou cheia de ideias a fervilhar!

Tigger disse...

Ah, outra coisa...
Gostava de ter tempo de ir fazer esse passeio, parece-me um programa bastante interessante para me encontrar.
E sim, já agora aceito essa sugestão do livro, parece-me que me vai dar muito jeito!

m a r c disse...

o meu favorito tb é alvaro de campos
tempo um livro só de poemas do homem
ele é completamente louco